Durante os próximos dias vamos postar uma série de artigos relacionados ao Top 100 DJs da DJMag. Vão ser várias listas que vão conter 10 artistas para cada género que, na nossa opinião, deviam ter sido incluídos nos resultados finais, e neste artigo falamos sobre Drum & Bass.

Lista: Bass Music, Trance, House, Techno, Drum and Bass, Hard Music, Portuguese e Geral (Iremos por hyperlinks em cada género a medida que lançamos os artigos).

Mefjus- O DJ/Produtor Austríaco Martin Schober AKA Mefjus teve um grande ano de 2018, com um dos pontos mais altos deste ano a ser o lançamento do seu segundo álbum a solo chamado  “Manifest“, lançado na muito aclamada label dos Noisia chamada “Vision“. Criado nas calmas e belas terras rurais da Áustria, paisagem essa que serviu de inspiração para a criação desta obra de arte. Composto por 17 músicas originais, este segundo álbum é uma aproximação mais madura a sua identidade sonora, uma grande evolução quando considerado que o seu primeiro álbum foi uma aproximação mais negra e agressiva de Drum & Bass. Mas a melhor parte deste álbum é o facto de todos, e mesmo todos os elementos desta produção foram criados por Mefjus, todos os sons, textura, dinâmica e design de som são completamente originais. Realmente um grande ano.

KOTR- Os Kings of The Rollers, compostos por Bladerunner, Serum e Voltage dignificaram o seu nome em 2018, ao serem um dos grupos mais requisitados para shows este ano, com grandes momentos para serem revividos. Começando por se juntarem à Hospital Records, a record label de Flux Pavilion que lhes forneceu uma plataforma por onde lançar as suas novas músicas que estão em todas as pistas de dança, a começar no UK e a influenciar toda a Europa em 2018. Músicas como Burnt Ends, Rave Alarm, Euphoria e Euphoria definem esta vibe underground, com a influência de sons industriais, que reflecte na perfeição o seu estilo característico, e tudo isto causou uma boa impressão por toda esta scene. Mas muito mais aconteceu este ano, com performances explosivas no Rampage e no Boomtown, onde o seu set foi considerado pelos fãs como um dos melhores do festival, com todo o set recheado de bangers que catapultou o nome do grupo para o estrelato em 2018.

Cyantific- Este foi sem dúvida um dos melhores anos da já longa carreira de Cyantific, com o lançamento de um projecto que demorou um total de 3 anos para ver a luz do dia, com o seu segundo álbum. Um projecto muito especial e pessoal, que demonstra a visão de Cyantific em relação ao Drum & Bass. Chamado “Bloodline“, este álbum foi lançado numa das maiores labels de Drum & Bass, a Viper Recordings, e foi um dos álbuns mais impressionantes a serem lançados este ano, com a colaboração de grandes artistas como DC Breaks e Raphaella, no que é uma jornada musical. O álbum teve uma grande festa de lançamento, num esgotado EGG LDN em conjunto com a crew da Viper com artistas como Culture Shock, 1991, Dillinja, Benny L e muitos mais o que fez com que a festa de lançamento fosse memorável, uma noite que Cyantific nunca irá esquecer.

Friction- Por fim, a lenda lançou o seu primeiro álbum a solo, e que álbum este, que experiência musical este álbum é. A superstar Britânica de Drum & Bass lançou o seu primeiro single em 1998, leste bem, a carreira de Friction começou à 20 anos, e 2018 marca um momento histórico na sua longa carreira com o lançamento do seu muito esperado álbum “Connections“. Composto por 12 músicas, este álbum é tudo o que esperávamos deste homem, uma obra que reflecte a sua sonoridade ao longo dos anos. Com colaborações com artistas como Tantrum Desire, Metrik, Jem Cooke e Raphaella, este é um álbum que ainda hoje estamos a ouvir, num álbum que é totalmente aditivo. Também tivemos uma festa de lançamento para o “Connections“, no Pickle Factory no que foi uma noite para os livros, com um grande cartaz de suporte.

Macky Gee- Longa vida ao rei do Jump Up, Macky Gee. Ok, agora numa nota mais séria, que ano este foi para o produtor/Dj Britânico, tanto de uma perspectiva solo como de grupo. Juntamente com a crew dos SASASAS , Macky foi parte importante na criação do EP de 6 músicas chamado “Nocturnal Insomniacs“, que invadiu os dance floors de todo o UK. E por falar em incrível, o seu set do Rampage foi a maior das loucuras, sendo um dos favoritos dos fãs. Numa perspectiva solo, 2 grandes pontos este ano. Ponto 1 foi o lançamento da sua música “Tour“, que se tornou num hit Mundial, e o Ponto 2 foi o lançamento do seu 4 álbum chamado “Moments” lançado na sua label Down 2 Earth Musik. Com 20 músicas, e com colaborações de Skepsis, Ragga Twins e Murdock . Este álbum é uma tentativa de cruzar géneros, uma versão de EDM v’s Drum & Bass dentro de um álbum, que permitiu a Macky ser mais criativo com o seus sons característicos.

A.M.C and Turno- Temos mesmo de meter estes dois na lista, porque depois do ano que estes dois tiveram, seria um crime não o fazer, pois 2018 foi realmente um ano de loucos, com imensos êxitos lançados. Se foste a uma festa de Drum & Bass em 2018, de certeza que fizeste algum stepping e bouncing ao som de pelo menos uma música destes dois, pois as suas músicas dominaram a scene este ano. Com um estilo de Djing muito energético que dá muita energia ao ravers, este duo merece a tua atenção. So para numerar algumas das faixas que lançaram em conjunto só este ano, temos Alliance, Boundaries, Ice Cold, Bomb Squad e Black Jungle, só para numerar alguns. Mas secalhar a maior track a ser lançada este ano foi a solo, e veio de Turno com “Asylum” que invadiu as pistas de todo o mundo, e as transformava em algo louco. Outros pontos altos incluem a performance no Boomtown e as labels nigths da Time is Now.

Muzzy- Algo que pudemos afirmar sem dúvidas, é que Muzzy foi claramente um dos melhores artistas de 2018, com um grande ano recheado de grandes lançamentos, que receberam suporte de toda a scene de Drum & Bass. Faz parte da família da Monstercat, onde lançou vários êxitos como “Horsepower” e “Worth the Lie” que combinado tem quase 2.5 milhões de views no YouTube. Mas não foi tudo o que envolveu a Monstercat e Muzzy, ele também têm tocado nas suas festas por todo o mundo, e mais recentemente na ADE e Londres. Também lançou outras grandes músicas este ano, incluindo Elevate, Cascade com A.M.C & Turno e um dos seus maiores proezas deste ano, com a sua música ” Photons” a ser incluída na cerimonia de abertura do Let it Roll 2018.

Fox Stevenson- O primeiro de dois artistas de Liquid Drum and Bass a entrar na nossa lista é  Fox Stevenson. O produtor/Dj Britânico já é um nome conhecido na comunidade da Liquicity á já muitos anos, tendo começado a sua carreira no início dos anos 2000 e desde ai estabeleceu o seu nome na scene de Drum. E mesmo já cá estando à 18 anos, o ano de 2018 fica marcado como um dos melhores da sua carreira. A quantidade de grandes hits de Liquid Drum lançados por ele este ano foi estonteante, com músicas como Bruises, Peace of Mind, Miss You, Glue Gun, Something, Take you Down e Never Before a marcarem uma comunidade inteira ao longo do ano. Também de notar uma grande performance no Liquicity festival.

Mohican Sun- O segundo nome relacionado ao Liquid Drum and Bass denrto desta lista é um dos meus artistos favoritos dos últimos tempos no panorama do Dnb, e estou a falar de Mohican Sun. Mas quem é ele/ela? Bem, ninguém o sabe realmente, o que adiciona ainda mais mistério ás musicas lançadas. O misterioso artista é representado por uma ilustração de uma máscara tribal e isto é toda a informação que temos em relação a esta personagem misteriosa. Já reconhecido pelas bem “forjadas” faixas de Liquid Drum, este ano a sua música têm estado a um nível acima de toda a competição, com releases de EP e solos a marcar 2018. Apenas para numerar algumas das faixas lançadas este ano por Mohican Sun, temos Trade Winds, Purple World, Defiance, Calgary e a minha favorita, Don’t Wait, uma música que apanha a tua mente com os seus vocals profundos e encantadores.

Benny L- Se gostas de sons mais, dark, misteriosos, que fariam qualquer pessoa ficar completamente louca no dance floor, então Benny L é o nome perfeito para ti e para a tua playlist. Este rapaz criou algumas das melhores basslines, mais fora deste mundo, completamente incríveis e originais. Eu fiquei literalmente sem palavras quando primeiro ouvi as suas músicas pela primeira vez, porque soam diferente de tudo o que têm sido produzidos no último ano. Um bom exemplo é a faixa “Low Blow“, a música com mais views e feedback, a sonoridade desta faixa é um óptimo exemplo do porquê dos seus sons serem tao distintos. 2018 serviu para a sua sonoridade se distinguir ainda mais, com o lançamento de músicas como Summoned, Thunder Slap, Sharks e Horizon a serem algumas das nossas favoritas de 2018.

Honorable mentions to Annix, Upgrade, Hybrid Minds and DC Breaks

Leave a Reply

Your email address will not be published.