O Brunch Electronik: In The Park – Lisboa , é antes de mais um “Parque” onde tanto os mais novos como os mais velhos são bem-vindos.

O evento consiste em 12 domingos de festas, repartidas durante o mês de julho, agosto, Setembro e Outubro, em pleno coração da magnifica e quente capital portuguesa. A festividade começa as 14h e acabam as 22h, seguido imediatamente de uma after-party, 23h – 5h, num dos melhores estabelecimentos da cidade: O Ministerium Club.

Christophe Dos Santos

Não vos vou mentir, o verão, sendo mais do que movimentado aqui em Portugal, foi-me impossível assistir a todos os eventos, mas após procurar um pouco, consegui encontrar um “Bruncher” que participou nos 12 eventos!

Apresento-vos Christophe, 25 anos, diplomado em belas artes, artista plástico e residente em Lisboa a já 1 ano.

Após fazer algumas perguntas como: “Quais foram os teus artistas preferidos? O que achaste das after-party’s? Quais foram os pontos fortes e fracos da organização?”

Eis as respostas:

“O meu brunch preferido foi o #9 sem sombra de duvida, com atuações fantásticas da parte de Michael Mayer e Rex The Dog! O ambiente era incrível e o set deles tinha uma profundidade e uma energia fora do comum. A after-party desse mesmo dia era de qualidade similar. Foi o meu top 1 desta época sem duvida.

Logo de seguida vem o Brunch #5 com o duo Miss Kittin e Oxia. Os dois mostram uma cumplicidade e conseguem transmiti-la ao publico. Posso vos dizer que o ambiente era eletrizante!

Em terceiro lugar fica o brunch #10 com Paul Ritch juntamente com o brunch #3 com Dave Clark. Um bocadinho melhor mesmo assim o evento #10 porque o line-up era simplesmente alucinante: Paul Ritch, Radio Slave, Dense & Pika e Mvria.

Tenho que deixar um especial feedback ao português Ari Girao que soube se desmarcar no meio de tantos grandes nomes no brunch #4 e trouxe um ambiente quente ao dia.

No que diz respeito a organização:

A grande vantagem que tiveram foi saber se adaptar e evoluir a cada evento.

Se algo estava mal indicado na primeira vez, a segunda já estava retificada. Muitas filas num dia, poucas casas de banho, e no domingo seguinte tinham melhorado isso tudo. Gostamos do sentimento de sermos ouvidos e respeitados. Apreciei vê-los a serem reativos.

Gostei dos múltiplos espaços para descontrair e as dezenas de stands com tudo o que diz respeito a Goodies.

O meu stand preferido? Aquele com os óculos de sol. Todos os meus amigos receberam um par.

A cereja no topo do bolo foi o facto de haver um shuttle diretamente do Brunch para a After-party por simplesmente 1.50€.

Ah, quase que me esquecia, mas parece-me algo importante: A cada line-up
, ou quase, apresentavam uma artista feminina. Achei um pequeno detalhe muito sensato da parte do Diretor Artístico, Vitor Silveira, que durante toda esta edição nos propôs um line-up diverso, potente e coerente. Resta a precisar que ele próprio é um produtor DJ de qualidade que pode ser encontrado como Ramboiage

Os pontos negativos?

Um ponto negativo é o facto de não ser dito que haveria a opção de comprar bilhetes para o evento através de um embaixador a preços reduzidos.

A aparição da policia no meio da época a porta. Imagino que uma situação particular os obrigou a tal ação, mas perde-se logo aquele ambiente de Roots que o Brunch oferece.

De qualquer das formas, recomendo +++ o Brunch a qualquer pessoa que esteja perto da capital durante a época durante o verão. São eventos de qualidade com artistas de grande qualidade igualmente. Até ao próximo ano ou melhor: Até sábado com a edição especial Brunch Halloween”

Written By: T.Domingas Ferreira

About The Author

There is something special about Dance Music, you can't explain it, just feel it. Dance Music is more than just music, Dance Music is a culture a movement. One that I respect deeply and love to understand be a part of. Started Wide Future in 2014 because of the love I have for every single genre of Dance Music, Techno, House, Drum, Big Room, Trap, Trance, etc.

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.